Pintor e escultor de origem polonesa reconhecido internacionalmente, Frans Krajcberg, morreu nesta quarta-feira, 15, no Hospital Samaritano do Rio de Janeiro.

Deixou um acervo de obras que usava as manifestações da arte com troncos e raízes de árvores calcinadas, um legado na defesa da preservação ambiental.

Como ativista, lutou até o fim da vida contra a destruição das florestas. Em uma entrevista disse: “Vocês não sabem o que está acontecendo na Amazônia; é um massacre, precisamos interromper esse ciclo”.

Desde 1964 ele visitava a Amazônia e o Pantanal Matogrossense e registrava o desmatamento e colhia troncos queimados para criar suas obras.

Em 2003 inaugurou o espaço Krajcberg, em Curitiba, onde expôs 114 esculturas além de fotografias.

O Instituto Chico Mendes manifesta-se com pesar essa grande lacuna deixada na arte, cultura e desenvolvimento do ser humano em prol da vida. Nosso compromisso é promover a conscientização, o envolvimento e alcançar a sustentabilidade social e ambiental através de todas as manifestações.